Bom, vou finalmente tentar escrever sobre a minha rotina de trabalho aqui na fazenda. Estamos no congelante inverno da França (e o meu host insiste em dizer que nem tá parecendo inverno de tão “””quente””” que está). Na fazenda agora a gente tem alguns legumes/verduras que crescem no inverno, mas uma boa parte das estufas está cheia das plantinhas secas das outras estações. Então boa parte do nosso trabalho é arrumar a terra para um novo ciclo de plantio :)

Mudinha de alface :)

O nosso dia na fazenda começa bem cedinho. Às 7 da manhã a gente sai de casa, entra na van da possível-morte, ~rola que nem batata no chiqueirinho~, deixa um dos meninos na escola que fica no caminho, ~rola mais um pouco na van~ e já chega na fazenda.

A vista da janela do meu quarto :)

A primeira coisa que sempre fazemos é pegar os ovinhos no galinheiro. – Pausa dramática para o meu pânico de galinhas. Sério, é apavorante abrir a porta do galinheiro de manhã, com sono, e aquelas 300 25 galinhas piando, bicando, dançando e tentando pular umas sobre as outras pra te recepcionar. Parece a porta dos desesperados do Serginho Mallandro :( – enfim, eu faço todo o sacrifício de passar pelo campo minado de caca de galinha e pegar os ovos, sempre com medo de alguma ave se revoltar e decidir bicar meu olho :( Algumas horas depois a gente solta as galinhas e é um segundo parto fazer elas voltarem pro galinheiro no fim do dia.

Galinhas malvadas armando um plano de fuga.

Tirando essa parte das galinhas, nossa rotina muda sempre. Semana passada a gente começou limpando os terrenos pra plantar as novas mudas. O que significa: tirar todas as plantinhas mortas, enrolar o plástico onde elas vão crescer, passar o trator, capinar e preparar a terra, colocando alguns nutrientes e compostos no solo (que vêm em sacos que pesam 40 mil quilos).

Bom, por partes:

Primeiro a gente vai nas plantações que só têm coisas secas, limpa o terreno e pega o plástico (que é tipo um tapete gigante, com buraquinhos aonde ficarão as novas mudas)  para usar em outro lugar.

25 km de plásticos

O que não é tão simples considerando que milhares de plantinhas (e ervas) cresceram e criaram raízes no plástico + há diversos ferrinhos que seguram ele na terra. Quando a gente vai arrancando tudo é que vai percebendo todo o mundo dos insetos surgindo. Milhares de minhocas, aranhas, lesminhas, todas vivendo sob o Sol de Toscana plástico furado.

Os ferrinhos ~com tétano~ que seguram o tapete na terra.

Depois de retirado o plástico, é hora de ver se dá pra usar ele direto, ou se precisamos fazer novos furos. A largura e a quantidade de buracos depende do tipo de vegetal que vai ser plantado.

Host fazendo novos furos com um maçarico.

Bom, separados os plásticos a gente tem que limpar as estufas onde eles serão usados. Eu não levo o celular todo dia pra fazenda, por isso não tirei foto das estufas antes da limpeza. Algumas estavam bem tranquilas, mas tinha uma que parecia a Amazônia de tanto mato. E bora lá limpar tudo.

Em uma das estufas a gente tinha feijõezinhos secos, então passamos uma manhã inteira só tirando eles da rede, com o cuidado de não estragar a estrutura, que vai ser usada de novo para novos feijõezinhos ~de todos os sabores~.

14 km de feijões secos emanharados na rede.
E voilà! A rede limpa e pronta pra ser usada novamente!

E finalmente essa semana a gente começou a plantar as mudinhas! O que é um trabalho do cão ahaha primeiro a gente joga os nutrientes e compostos no solo, depois meu host passa o trator para arrumar a terra, daí nós esticamos o plástico gigante tomando cuidado pra não pisar aonde o trator já passou e depois temos que fazer um malabarismo digno de cirque du soleil para prender os ferrinhos no chão.

A hora do trator é também a hora de correr do pó!

Daí é só colocar as mudinhas no buraco, regar e voilà. TIRANDO claro o fato de que plantamos umas 300 mil mudinhas em dois dias. Então, abaixa, abre o buraco, coloca a mudinha, vai pro próximo. Lombar eu já perdi e alguns movimentos dos dedos também.

Na primeira estufa eu fiquei com a beterraba e as mudinhas são minúsculas. Toda uma delicadeza que nunca existiu na minha vida pra não quebrar as plantinhas e plantá-las do jeito certo.

Baby baby beterraba.

Na segunda eu fiquei com a cebola, que tcharam,  consegue ser menor do que uma mudinha de beterraba e vem cheia de raízes, super frágil. Só pra ter uma idéia, numa caixinha dessas vem 150 mudinhas de cebola, e a gente plantou 12 caixas!

As mudinhas mais cheirosas de todas!

Plantamos ainda alfaces (de umas 8 variedades diferentes), couves, vegetais que ninguém sabia o nome em inglês, espinafre, alcegas, etc.

Uma estufa pronta! Agora só faltam mais 5 ahaha

Bom, essa é a parte da plantação. Além disso, a gente também tirou no começo da semana as ervas daninhas das cebolinhas que já estão plantadas. O ponto é que a gente só precisa arrancar as ervas daninhas quando as plantas são novinhas e pequenas, porque assim elas podem parar de crescer por não receberem todos os nutrientes do solo.

Quedê cebolinhas?
Achou :)

Tirar essas ervas daninhas também é perrengue. Você tem que segurar a raíz da cebolinha e tomar cuidado pra ela não vir junto com as ervinhas, porque se ela sair, perdeu playboy. A plantinha morre :(. Pra alcançar as do meio então, só ficando em umas posições que nem o kama sutra ousou testar.

Além disso tudo, a gente também carrega saco pra cima e pra baixo, arruma as caixas que vão ser usadas nas feiras, sofre bullying, semeia ervilhas, aprende a xingar em francês, colhe as coisas para vender nas feiras, brinca com os cachorros, passa frio, toma um cafezinho, passa frio de novo, organiza os armários das geléias. UFA! É muita coisa mesmo.

“PARA DE TRABALHAR UM POUCO E ME DÁ ATENÇÃO PLS”

O trabalho na fazenda é sempre bem dinâmico. Meu host faz a gente mudar de atividade toda hora pra não cansar (e deixa a gente beber umas brejas durante o expediente :D). Trabalho tanto que até o tênis que peguei emprestado perdeu o solado e tive que fazer uma gambi pra não ficar descalça ahaha

E todo esse trabalho feito no estilo&elegância #fashion #trend #moda

E daí, depois de todo esse trabalho, fui inocente e pensei o que? Vou emagrecer :) Ledo engano djoven Yo. Descobri o doce de morango da minha host (feito com morangos orgânicos da fazenda) que está entre as 7 maravilhas do mundo pós-moderno. E todo dia ela cozinha uma coisa melhor que a outra! (Mas a sua comida ainda é melhor mamy! Ahaha) temos os vegetais e legumes da fazendinha + queijos + baguettes + vinhos + amor :) então todo dia temos: eu, fazendo um prato caminhoneiro sofredor e engordando 1 kilo por refeição.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s